sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Quimera

Desse meu jeito meândrico de ser, conto minhas anedotas em certa alomorfia temporal, sem o planejamento de me tornar uma sinalefista.
Em um sorriso que vislumbrei naquele rosto avelhado era de tal forma de tom ebúrneo que transparecia a ínfima candura de alguém já tão velhado.
E, por fim, levou-me a um sonho inefável, gotado por apenas uma lágrima dividida, provocando um diorama fascinante que se definha aos poucos como o bruxulear de uma vela acesa.
Pararei, então, nessa conjuntura, com essa litania melodiosa sem mi suave ou dó menor.
Quem diria agora que voltaria a um devoluto único do meu âmago lúgubre e torvo sem a vontade mínima de transformar meus dias desolados em um vão idílio.

6 comentários:

Aline Maccari disse...

Bela, belo!
Linda, lindo!
Pura, puro!

Clarice disse...

Haja dicionário, hein santa?

Thomaz disse...

ó frangúndio bugalhostro, tua micturiação és para mim quão mancimuncos num lúrgido mastim.

tão difícil de entender quanto.

Lud disse...

Quero deixar claro que pra mim faz todo sentido. Ok?!
Obrigada!
=)

Anônimo disse...

uau, que léxico!

Anônimo disse...

hauhauah essa frase do tomaz foi muito engraçada